sábado, novembro 17, 2007

Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Fornos de Algodres. Será utópico aspirarmos a isso?

Pois bem caros leitores, aproveito mais este fim-de-semana para o lançamento de uma ideia que apesar de poder ser aparentemente impossível de alcançar, na minha modesta opinião deveria ser no mínimo tida em consideração.

E porque não uma Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural em Fornos de Algodres?

É nestas áreas que temos algumas vantagens competitivas face a outras regiões do País, logo é aqui que a meu ver devemos apostar. Bem sei das dificuldades que um projecto deste tipo acarreta e dos riscos associados ao mesmo, mas se o projecto fosse elaborado com ponderação e visão de futuro quem sabe se não estaria aqui um dos pilares para o desenvolvimento da nossa região...

Atente-se que nos nossos concelhos vizinhos não existe (tanto quanto sei) nenhuma escola deste tipo e com estas finalidades.


Quantos fornenses abandonaram o nosso concelho à procura de uma vida melhor no estrangeiro ou nas grandes cidades por não ver na agricultura uma área de interesse ou por não ver nesta actividade o reconhecimento social que qualquer outra profissão proporciona? Quantos abandonaram precocemente a escola por não verem na mesma qualquer formação objectiva quanto à possibilidade de um dia vir a ser agricultor?

Infelizmente está enraizada por estas bandas ideia que para se ser agricultor, pastor, etc...não é preciso estudar! Nada mais errado. O conhecimento e aprendizagem contínua estão na origem do desenvolvimento de todas as profissões. O principal problema destas profissões é precisamente esse: MENTALIDADE! É preciso INOVAR! Isso só será conseguido com formação de qualidade!

Quem sabe se não estará na formação de qualidade no nosso concelho a luz ao fundo do túnel que a agricultura e pastorícia tão desesperadamente procuram nos dias de hoje por estas nossas bandas? Quem sabe...

Opinem, e mais uma vez cliquem na imagem para melhorar a qualidade!

11 comentários:

al cardoso disse...

Caro Alexandre:

Se consultar os meus arquivos, vera que ja eu proprio apresentei essa ideia e ate sugeri a localizacao no edificio do antigo seminario e sua quinta; veja a minha entrada do dia 15 de Marco de 2007, com o titulo; ENSINO PROFISSIONAL OU TECNICO.
Por ai pode ver que estou 100% de acordo consigo,
estou convicto de que se houve-se vontades poderia nao ser tao utopico como isso!!!

Um abraco.

Anónimo disse...

A ideia como todas as outras é boa! Mas será que é concretizável?
Podia ser no antigo seminário era um bom local para uma escola profissional de agricultura ou de outra qualquer área! Mas também poderia servir para muitas outras coisas entre as quais um hotel ou outras! Mas o que realmente precisavamos urgentemente era algo que mexesse com FORNOS DE ALGODRES
Abraço e continua
António Cardoso

Alexandre Lote disse...

Amigo A,peço desculpa pelo facto de ao que pareceter tido a mesma ideia, mas sinceramente não sabia.

Ainda bem que comungamos da mesma opinião, mas obviamente respeito quem não concorde comigo.

Quem não concordar tem este espaço para o dizer sem qualquer problema, desde que identifique obviamente o comentário.

Quando ao facto de ser ou não concretizável, eu próprio tenho dúvidas, uma vez que não estou muito bem por dentro dos termos e requisitos que a Lei impões para a construção de algo deste género.

É apenas uma ideia que talvez mereça no mínimo ser tida em conta na minha modesta opinião.

Abraço

al cardoso disse...

Caro Alexandre:

No que toca em concordar eu nao concordo com ninguem so para agradar, se concordo muito bem, se nao tambem lho diria. Podem chamar-me "sumidade", mas ninguem pode dizer que sou hipocrita. O que acontece e que o meu amigo comunga muitas das ideias que tambem me ocorrem, esta ocorreu-me assim que fecharam o seminario!
Num outro "post" ate levantei a hipotese de em vez de uma escola por si so, devido a nossa pequenez, e nao vergonha dize-lo, poderia ser instalado ali um polo de uma escola ja existente como a de Trancoso ou a de Gouveia, ai e que se via a cooperacao inter-municipal em accao, que por sinal ate para ai e que apontam as directivas deste (des)governo, que tem feito e continua a fazer muito mal ao nosso interior, mas que de vez em quanto tambem tem projectos bons!
Esta coisa de ser orgulhosamente sos era ideia do "To das botas" e deve ser irradicada para o bem das populacoes da nossa Beira esquecida.

Um abraco de amizade.

Carlos de Matos disse...

Caro Amigo Fornense ;o))

Um apelo a projecto que federa boas opiniões, boas ideias e ao qual so posso aderir como ja me tinha manifestado sobre posts de Al Cardoso. Sendo igualmente oriundo de Penaverde, bela terra de queijo hoje sem rumo.
Sr. Alexandre Lote pode contar comigo para reflectir e por de pé un plano de acções sobre esse assunto.
Disponibilizo-me para trocar ideias e propor uma agenda aos motivados e necessarios motores dum projecto desse tipo. Podemos comunicar rapidamente, msn,etc pessoalemente soi adepto da reunião telefonica com uma ordem do dia e no sair uma moção ou conclusão afim de passar aos actos.
E porque não partilhar os resultados sobre os diferentes blogs referentes aos interesses locais.
A Utopia so permanece se ficarmos pelas boas intenções ;o))
A melhor defesa foi sempre o ataque, a acção ;o))

Aqui fica o meu acto de candidatura.

Até breve

Carlos de Matos

Fernando disse...

Infelizmente só muito recentemente é que se começou a olhar para as escolas profssionais com o devido respeito que elas merecem, deixando de ser vistas como os parentes pobre do ensino regular. Não sei até que ponto esta seria uma ideia concretizável, mas de qualquer maneira seria mais um imprtante ponto a favor na luta que tentams travar contra a desertificação, pois para além detrazer mais jovens para o concelho, iria "mexer" com o resto da sociedade. Eu próprio estudei na esola profissioal de Gouveia e é enorme a importância que esta escola tem vindo a ter na vida locl daquele concelh. Abraço.

Magno disse...

Uma boa ideia com pernas para andar!
No entanto é preciso mudar mentalidades locais e ultrapassar obtáculos burocráticos para a execução da mesma!
Parabens pela iniciativa!
Magno.

al cardoso disse...

Mas ate ver, o nao esta a ganhar!!!
Marasmo e que e preciso!!!

Hugo disse...

Caro Xande, saúdo a ideia. De facto, as escolas profissionais são sempre um acréscimo de vitalidade para qualquer meio, desde que tenham alunos, claro está.
Ainda eu e tu éramos muito pequeninos, já os autarcas de então se lembraram de tal coisa.
Recordo até que, em 97 ou 98(creio, não estou certo quanto ao ano exacto) houve um projecto da câmara municipal de uma escola profissional dedicada ao queijo da serra. Tanto existiu que chegou a ter inscrições abertas para os alunos que o pretendessem frequentar. Foi até divulgado na então escola C+S.
A questão é que não houve nenhuma inscrição... E não tenho razões para acreditar que agora haveria.
Mais, nos últimos anos a situação das escolas profissionais agravou-se dramaticamente. A par do fecho da escola de celorico, verifica-se que as escolas profissionais, de um modo geral, não têm alunos... Até em Torredeita onde antes era preciso ou uma grande "cunha" ou dormir à porta da instituição para garantir inscrição as coisas caminham nesse sentido: não há alunos interessados...
No que concerne às escolas de agricultura, a situação é ainda mais grave. Uma das melhores (digo eu) escolas profissionais nessa àrea situa-se em Belmonte (curiosamente chamada de Quinta da Lageosa) e padece do mesmo mal. Não consegue alunos.
Talvez isto mereça reflexão...
De qualquer forma, a ideia é boa, disso não há dúvida. Se é exequível nas actuais circunstâncias, aí já coloco mais reticências...
Um abraço, Hugo M.

Alexandre Lote disse...

Apenas para que fique como registo:
Concorda com a criação de uma escola profissional de Agricultura e desenvolvimento rural em Fornos de Algodres?

Não - 66 %

Sim - 33 %

quintadocochel disse...

Uma escola profissional deste tipo seria útil sim, se após o términus da formação dos formandos, estes tivessem apoio, incentivo e ajuda ao desenvolvimento da actividade agrícola. Está provado que nos tempos que correm, a agricultura só sobrevive com recurso ao uso de maquinaria e esta, é extremamente cara para o bolso do jovem agricultor que se inicia nesta actividade. É por demais óbvio que a vida agrícola é suja, dura e com riscos elevados. A situação a que chegou o queijo da serra é bom exemplo. Obrigaram o agricultor a ter as célebres queijarias, contudo, os "técnicos" que acompanharam a sua criação, nada percebiam do assunto, desconhecendo a regra mais elementar. "A teoria é muito diferente da prática", desconhecendo por completo que um produto artesanal não pode ser produzido se forem alterados os ingredientes ancestrais!