domingo, fevereiro 03, 2008

Democracia e anonimato - Uma explicação possível!



Pois bem, chegou a altura de debatermos neste blog, quais os direitos e os deveres de todos aqueles que aparecem como anónimos!

Em primeiro lugar torna-se importante estratificar as espécies de anónimos, ou seja, existem os que são anónimos de forma a poderem ofender tudo e todos e aqueles que preferem resguardar a sua identidade opinando livremente sobre temas e a sociedade em geral!

Sinceramente, discordo de ambas as opções, sendo a segunda incomparavelmente mais gravosa.

A segunda espécie é os ditos "corajosos", ou seja, os que enfrentam o poder! São pessoas que quando se olham ao espelho vêm alguém que alimenta o seu ego atacando pessoas ou instituições, sem que consigam reconhecer em si próprios um dos mais elementares bens de qualquer ser humano: o seu NOME!

Estes são o espelho da palavra COBARDIA!

Quanto aos outros que emitem as suas opiniões de forma anónima sem ofender quem quer que seja, procurando sempre uma solução e nunca um problema, vejo-os como reflexo de um Estado Democrático recente. Diria mesmo que provavelmente Portugal é um dos Países Democráticos mais ditadores que existem por esse Mundo.

Acredito sinceramente que as gerações futuras terão felizmente a oportunidade de se expressar livremente sem necessidade de esconder a sua identidade. Os anónimos de hoje têm medo que o senhor A ou Instituição B lhes estrague a vida perante a emissão da sua livre opinião, parecendo que vivemos numa sociedade em que todos somos dependentes do poder, seja ele institucional ou pessoal.

Portugal é também ao mesmo tempo, um dos Paíse onde as pessoas menos protestam sendo que, quando o fazem, fazem-no sem critério e da pior forma. Felizmente a situação está a mudar, como o prova o novo valor que é dado ao livro de reclamações!

Estas pequenas alterações são prova de que a instrução do povo Português está a aumentar e estará próximo o dia em que este País face ao normal desenvolvimento enquanto sociedade se venha a afirmar como uma verdadeira Democracia no total sentido do termo!

Esse será o dia do fim do anonimato!

Cumprimentos, Alexandre Lote

6 comentários:

Anónimo disse...

Sim eu concordo Portugal é um país dito democrático mas onde infelizmente há muitos ditadores e muitas vezes é verdadeiramente perigoso darmos a nossa opinião e assinar-mos o nosso nome! E com o tempo a correr parece que ainda piora! Isto tanto a nivel nacional como local! Esta é a minha opinião que lamento não possa ser mais positiva
abraço
António Cardoso

al cardoso disse...

Talvez seja nos meios mais pequenos onde toda a gente se conhece, que aparecem mais pessoas como anonimas, elas la saberam porque.
Pela minha parte nao tenho nenhum problema em continuar a editar os comentarios anonimos desde que nao me ofendam, nem aos demais comentadores!
No entanto tenho que admitir, que gosto muito mais de me dirigir a uma pessoa com nome, quando lhe respondo a um comentario.
Por aqui onde resido, embora seja um pais criticado por muita gente, temos um nivel de democracia que Portugal ainda nao conseguiu atingir, dizemos as coisas abertamente e nao nos pomos de gatas perante ninguem, pelo menos eu nao me ponho. Talvez por isso muita gente nao gostara da minha frontalidade, mas isso e problema deles nao meu.

Um abraco de amizade dalgodrense.

Magno disse...

Parece que ainda vivemos no tempo da PIDE, acho que o espirito desta ainda existe.
Acredito que sim.
Abraço,
Magno.

Anónimo disse...

Tendo eu participado em alguns "debates", onde se discutiu esta temática, não poderia deixar de expressar a minha opinião, enquanto defensor do anonimato. Como é obvio, mantendo-me fiel aos meus princípios, permanecerei anónimo. Cabe ao autor do blogue decidir se deverá ou não publicar este artigo.
De facto o anonimato pode servir para tudo, tanto para construir e defender, como para destruir ou denegrir. Cada um pode utilizar o padrão anónimo para acusar e para defender. Confesso que acho errado quando se usa o anonimato para maltratar ou denegrir uma pessoa. No entanto concordo com o seu uso quando em causa estão opiniões, ideias e concepções de alguém, ou a defesa do bem público ou das populações.
Lamento no entanto que se esteja a demonstrar apenas o lado negativo do anonimato, senão vejamos os seguintes exemplos: Numa situação de violência doméstica é mais útil denunciar de forma anónima, ou não denunciar? Temos conhecimento de uma situação fraudulenta e gostaríamos de apresentar o caso a quem de direito, mas por uma questão de segurança não queremos ser identificados. O que fazer? Em suma, num qualquer crime, será preferível denunciar de forma anónima ou não denunciar?
Não consigo conceber uma democracia sem a figura do anonimato. Que me desculpem os que não concordam, mas em minha opinião, se falamos de democracia falamos em liberdade, e se somos livres temos o direito de nos expressar da forma que queremos. O anonimato sempre foi uma figura presente, tanto em regimes ditatoriais como em regimes democráticos, e em ambos funcionou tanto para o bem como para o mal.
Quanto à democracia no total sentido do termo, é uma ideia utópica. Não há regimes democráticos perfeitos. Poderão parecê-lo por algum tempo, mas haverá sempre o dia em que algo fará "descambar" este ou aquele detalhe. Metafóricamente, vejo a democracia como um "ser vivo", o qual se vai alterando temporalmente, adaptando-se às circunstâncias, ao ambiente em que está inserido, e aos povos que desfrutam dela. Como "ser vivo" que é, tem imperfeições e fragilidades, que a impedem de se tornar num "ser perfeito", pois ao tentar-se reparar essas imperfeições e fragilidades, acaba-se sempre por criar outras.
Al Cardoso dá o exemplo dos E.U.A., afirmando que Portugal ainda está longe de atingir o patamar democrático do povo americano. Não digo que não, mas há aspectos em que na minha opinião, Portugal é mais democrático: Veja-se a forma como decorreram as eleições para a presidência Americana, quando Bush foi eleito pela primeira vez; o próprio sistema eleitoral em que pode ser presidente aquele que tem menos votos, na totalidade dos eleitores; a forma como actuam, politica e militarmente em diversas regiões do globo, forçando nações a implementarem modelos democráticos que estes não querem ou não estão preparados para viver!
Quanto a mim, uma coisa é certa. Por mais voltas que dê a democracia, haverá sempre pessoas, que preferem manter-se anónimas perante as outras por esta ou aquela razão. Quanto às opiniões que proferem, cabe a quem as ouve ou lê, atribuir-lhe a importância que estas poderão eventualmente merecer ou não.

Cump's
O anónimo

al cardoso disse...

Caro Anonimo:

Embora eu tambem preferi-se que o sistema eleitoral americano fosse por sufragio universal, de facto nao e! Mas esse sistema de colegio eleitoral, ja existe neste pais desde a sua fundacao, quando no nosso ainda viviamos debaixo de ditaduras, mas todos os candidatos sabem a partida que e assim. Nao e pelo facto das eleicoes lhe nao terem saido a geito, que o senhor Gore devia ter feito tanto barulho, porque esse sistema com defeitos tanto tem favorecido Democratas como Republicanos.
Eu tambem nao gosto dos nossos (portugueses) circulos eleitorais em que se elegem pessoas que nao conhecemos e sao postas na Assembleia, pelos senhores mandantes dos partidos, portanto impostas aos cidadaos, mas e o nosso sistema com defeitos e virtudes, tal como os dos outros.
Gostaria muito mais que existissem circulos unonimais, mas nao um sistema como o se estao a preparar, para impor as populacoes, em que voltamos ao rotativismo que levou a queda da monarquia!
Que pena os politicos nao conhecerem e aprenderam com a historia, evitavam cometer sempre os mesmos erros!

Um abraco dalgodrense.

Anónimo disse...

Caro Al Cardoso.

A temática dos sistemas eleitorais é certamente um bom tema para debate. Pense nisso!
Quero apenas ressalvar que a minha referência ao sistema democrático vigente nos E.U.A., serviu apenas para salientar, o facto de não existirem sistemas perfeitos. Existem certamente uns mais avançados do que outros, e o Norte Americano é certamente dos mais avançados e eficazes.
Quanto a Portugal!!!! Enfim tenho de reconhecer que a democracia já conheceu melhores dias, e neste ponto concordar com o Alexandre Lote: Em algumas áreas da política e da sociedade, já vi ditaduras mais democráticas do que a nossa!!!! No entanto há quem afirme que 30 anos de democracia é pouco, para que o país interiorize o verdadeiro espírito democrático. Se assim for, talvez estejamos a passar por uma crise, tipo aquelas que os casais têm de tempos a tempos :-)

Cump's
O anónimo