sábado, setembro 22, 2007

Debater investimento no Inatel em Fornos de Algodres!


Caros leitores, lanço esta semana a debate um dos temas que tem dominado a maioria das conversas da população fornense! Faço-o na esperança de dar a todos a oportunidade de opinar sobre um investimento que pode ser de facto importantíssimo para o avançar do concelho!

Deixo em gráfico, os valores da sondagem realizada neste mesmo blog acerca da forma como cada votante qualificava o investimento da autarquia no Inatel em Vila Ruiva. Tal como é facilmente perceptível do gráfico a maioria (31) considerou o mesmo como importantíssimo, sendo que uma parte também significativa (20) considerou o mesmo como exagerado.

Na imagem estão expressos alguns dos pontos que na minha opinião poderão ter levado os leitores a voltar numa ou noutra hipótese, sendo que apresento algumas perguntas que caso fossem respondidas ajudariam certamente a clarificar a opinião da maioria da população fornense. Quem tiver a resposta às perguntas que coloco, caso assim o entenda, julgo que deveria colocar as mesmas na zona de comentários de forma a tornar o debate mais verdadeiro e baseado em dados concretos e não em "boatos", que apenas servem para lançar a confusão e nunca para clarificar pensamentos.

Gostaria também que lançassem algumas ideias sobre como criar mais valias para o concelho a partir do Inatel em Vila Ruiva!

Do que me tenho infelizmente apercebido em conversas com pessoas que estão bem informadas sobre a matéria, a maioria dos visitantes do Inatel desloca-se por norma para os concelhos de Gouveia e Celorico da Beira. Isto acontece porque (pelo menos tanto quanto sei, corrijam se tiver enganado) não existe nenhum roteiro atractivo do Concelho de Fornos de Algodres nas instalações do Inatel e também porque os turistas têm nessas localidades uma maior oferta em termos de lazer e cultura!

Não posso é deixar passar em claro o facto de na página web do Inatel http://www.inatel.pt/Turismo/falgodres.htm , na zona de locais de interesse o único concelho que é referenciado é o de Celorico da Beira.

Citando o site:
"LOCAIS DE INTERESSE Celorico da Beira – Igreja da Misericórdia, Solares, Janelas Manuelinas, Igreja de Stª Maria (Igreja Matriz), Solar do Queijo Serra da Estrela, Torre do Relógio, Castelo, Igreja de S. Pedro; Aldeia do Fornotelheiro - Igreja Matriz, Forca, Necrópole de S. Gens; Aldeia de Açores - Igreja Matriz, Pelourinho; Linhares da Beira (Aldeia Histórica) - Calçada Romana, Igreja da Misericórdia, Casa Fortaleza, Palácio e Solares, Janelas Manuelinas, Casa da Câmara, Pelourinho, Fórum, Casa do Judeu, Igreja Matriz, Castelo."

Ora, não deveria ser quase obrigatório à gerência do Inatel fazer referência aos locais de interesse também e sobretudo do concelho que fez um esforço financeiro assinalável para que o Inatel pudesse desfrutar das magníficas condições que tem neste momento em Vila Ruiva? Bem sei que a gerência é da responsabilidade do Inatel, mas espero e acredito que brevemente esta situação seja alterada!

P.S: Atenção mais uma vez ao teor dos comentários sobretudo os anónimos (o IP fica registado...). Aproveitemos a zona de comentários para opinar de forma responsável e sobretudo para lançar novas ideias sobre como potenciar o concelho a partir do Inatel em Vila Ruiva.

Deixo também em anexo este endereço para que todos possam ter acesso à informação disponibilizada pelo site da CMFA sobre a inauguração do Inatel em Vila Ruiva: http://www.cm-fornosdealgodres.pt/nt_014.php

Cliquem na imagem para melhorar a qualidade e opinem responsavelmente!

18 comentários:

al cardoso disse...

De facto pode e deve ser importantissimo para o desenvolvimento concelhio, mas neste momento nao esta a ser, porque continua virado para a divulgacao dos concelhos de Celorico e Gouveia, do primeiro principalmente pelo que se pode ver no site do INATEL, eu pessoalmente ja ha muito ando a lutar contra isto, e sei que outros ja o mesmo fizeram. Pela minha parte ja mandei "emails" ao proprio INATEL, ja mencionei o facto ao Presidente da Camara e a outros autarcas, mas passa-se o tempo e nada muda, ate parece que os responsaveis nao estao muito interessados na divulgacao concelhia.
Tambem se nota muita falta de empreendorismo para complementar aquele investimento, que devem partir da iniciativa privada. Ja lembrei uma loja de productos regionais com o "Queijo" em destaque, mas tambem e porque nao uma empresa de desportos de aventura e natureza?!

Um grande abraco de amizade, deste amigo seu e d'Algodres.

Alexandre Lote disse...

Amigo Al, está de facto na hora de tentarmos que os visitantes se virem para fornos e não para os concelhos vizinhos...ou não fosse Vila Ruiva uma aldeia do Concelho de Fornos de Algodres!

Bem sei, que falta iniciativa privada para a instalação de um restaurantes e uma casa de produtos artesanais na aldeia, mas isso existe em Fornos de Algodres...alguém lhes faz menção no citado espaço?

Eu julgo que talvez não fosse despropositado ser feita algo como por exemplo a aldeia do queijo ou o museu do queijo!

Um espaço que teria como objectivo captar visitantes desde as crianças, adolescentes até aos adultos e idosos!

Julgo que antes, deveria ser feito um convite a todos os fabricantes do quejo da Serra da Estrela do concelho de Fornos de Algodres para que fosse sabida qual a sua opinião sobreo projecto e qual a forma como se veriam a participar no mesmo!

Nesse espaço seria deveras importante a criação de uma sala (idêntica ao museu do pão) onde todos os visitantes pudessem ver todos os passos de fabrico do quejo, sendo a mesma interactiva e apelativa sobretudo para as crianças! No final e porque não, ensinar as crianças que assim o quisessem a fabricar um queijo pequenino que serviria apenas de recordação da vista à aldeia do quejo, localizada no concelho de Fornos de Algodres!

Apenas uma ideia para já muita empírica, mas mesmo assim gostava de saber as vossas opiniões e ideias sobre a mesma, para que assim possamos completar, anular, modificar aquilo que tanto pode ser uma boa ideia (para mim é!), como uma ideia que não leve a lado nenhum...

Cumprimentos, Alexandre Lote

al cardoso disse...

Caro amigo Alexandre:

Ou voce e adivinho, ou entao tambem ja ouviu alguma coisa a respeito!
Tambem ja me contou uma abelhita, que algo no genero ja existe em ideia, ou ate mais do que isso!
Sou cem por cento favoravel a algo do genero do que se fez em Seia, sobre a tematica do Pao, mas aqui na terra dele sobre o "Queijo da Serra". Estou convencido que seria um investimento com retorno e ha muitas quintas ao redor de Fornos, que em qualquer delas ficaria bem, mas o tempo cada vez e mais curto, pelo que e ideia para avancar antes que alguem noutro concelho a aproveite!

Alexandre Lote disse...

Amigo Al, de facto não sabia de nada do género...A ser verdade o que o senhor diz que já existe qualquer coisa, isso seria de facto fantástico para o concelho...mas como o senhor diz o tempo urge e convém que nao sejamos ultrapassados por outros concelhos que poderiam ver nesta ideia boa oportunidade de rentabilizar as suas terras.

Cumprimentos, Alexandre Lote

Anónimo disse...

A ideia de um museu do queijo é óptima e desportos radicais também assim como aproveitar algumas quintas que são aldeias em miniatura para turismo de habitação!Á Uma perto de Vila Chã outra junto á ribeira de Cortiçô só para dar dois exemplos. Agora o inatel teria que promover o nosso CONCELHO pois está em Vila Ruiva á custa do nosso dinheiro se paga alguma coisa não sei mas mesmo que pague penso que devia promover o Concelho em que está instalado.
António Cardoso

Anónimo disse...

Já vamos tarde! Celorico já pensou e está, já, a executar o Museu do Queijo da Serra da Estrela...

Andreia Santos.

António Miranda disse...

Como é que o concelho de Fornos de Algodres quer competir com os concelhos vizinhos, no que ao turismo (e não só) diz respeito?

Todos os concelhos vizinhos há muito acordaram para a necessidade do desenvolvimento do interior ser direccionado para a potencialização dos recursos turísticos.

Ao ler estes comentários, fiquei preocupado e deu-me a vontade de rir por haver ideias da criação do museu do queijo em Fornos de Algodres, quando Celorico da Beira possui um museu do agricultor e do queijo, possui o Solar do Queijo serra da Estrela, o qual é considerado a Catedral do Queijo no nosso país, tem uma aldeia histórica – Linhares da Beira, a qual também é conhecida como a capital do parapente em Portugal.

Celorico da Beira, Gouveia, Seia e muitos outros concelhos que não Fornos de Algodres têm feito um enorme investimento em promoção dos seus recursos, e eu próprio li há pouco tempo que em Celorico da Beira existiu um aumento de 380% no numero de turistas nos meses de Junho, Julho e Agosto deste ano, comparativamente a igual período do ano anterior.


Fornos de Algodres há muito que fala, fala e não faz nada!!!

Vagamente disse...

Os responsáveis pelo site do INATEL ainda não deram um passeio pelo nosso Concelho pois o dia que o fizerem irão de certeza absoluta ficarem deslumbrados pela cultura e obras de arte que por cá temos, sem falar do fabrico artesanal do queijo da serra.
Deverá ser apenas uma pequena falha deles, mas que a seu tempo darão conta e corrigirão.
Quanto ao investimento que foi feito no INATEL, apenas digo que neste momento é um local que cria receitas e promove o emprego no Concelho e isso é muito bom, era óptimo que outros investimentos viessem.
Um abraço
Luís Almeida Pina

al cardoso disse...

Caso seja verdade o que a Andreia Santos disse, fico triste em mais uma vez nos passarem a perna.
Quanto ao senhor Antonio Miranda, compreendo o seu dasabafo mas a ideia que foi apresentada nao tem nada que ver com o Solar do Queijo, nem com o Museu do Agricultor de Celorico o que se opinava era um Museu Interativo do Queijo da Serra, dentro de moldes parecidos com o o Museu do Pao de Seia.
Quanto a Linhares de facto ja vai muito mais a frente a sua recuperacao turistica, mas ainda espero ver algo semelhante em Algodres, alem disso tambem ai existe um excelente ponto de voo para parapente so e necessario divulga-lo!

Um abraco "d'Algodres" para todos.

Anónimo disse...

Sempre que vejo estes comentários fico triste, é pena que os comentadores estejam tao bem informados sobre tudo e mais alguma coisa daquilo que acontece nos concelhos vizinhos ,e nem se preocupem com o que Fornos faz.Desulpem mas tenho que vos fazer uma pergunta,de todos os comentadores quantos ja visitaram o CIHAFA?Caso o tivessem feito saberiam que são realizadas por ex.visitas guiadas ao conselho onde é promovido não so o patrimonio arqueologico , mas tambem o histórico,edificado, paisagistico, e essencialmente o gastronomico,que passa obviamente pelo queijo e não so pois,caso não saibam têm tambem um optimo azeite,e uma casa de produtos regionais onde se pode saborear por exemplo doces genuinos, um licor tradicional ou ate uma maravilhosa manteiga. Eu´só conheço tudo isto porque ja fiz um desses guias com o CIHAFA ,e sei que foram utilizados pelo INATEL enquanto ca esteve a Monica (funcionaria do INATEL ate 31 de Agosto, o que é pena, pois a selecção deixa um bocadinho a desejar). Mas quando tiverem interressados em conhecerem visitem o CIHAFA e falem com a funcionária ,pois foi a pessoa que conheci até hoje que mais defende Fornos e o seu turismo ,é pena mas é unica. Ass. Pedro e Teresa

Anónimo disse...

Caros Pedro e Teresa,

Ainda bem que, de facto, existe o CHIAFA em Fornos de Algodres. Julgo que ninguem poderá afirmar o contrário. No entanto, a existência de um Centro de Interpretação não é suficiente para colmatar as deficiências em matéria de promoção do concelho de Fornos.

Obviamente que existe muito património, em várias frentes, para valorizar no concelho. Contudo, é necessário que seja promovido um trabalho de imagem bastante bem delineado para proceder à promoção desses pequenos "tesouros". Um dos primeiros passos nesse sentido já foi tomado pela esmagadora maioria das autarquias da região, das mais pequenas às maiores: a apresentação, à Direcção Geral do Turismo de Planos Estratégicos para o Turismo.

Algo que por terras d'Algodres ainda não foi pensado.

A melhor forma, julgo de tentar colocar Fornos de Algodres no mapa do turismo nacional será, depois do barco perdido, apostar numa só variável e apresentar fortemente o concelho como a "capital" (por assim dizer") de um produto, um pouco por toda a parte.

Julgo que o queijo e o factor Serra da Estrela já foram perdidos para outros concelhos (Gouveia, Seia e Celorico), portanto agora é preciso criar novas variáveis, inovar. Gouveia, por exemplo, tem apostado nos últimos anos num "target" radical - chamemos-lhe assim - quer com o Gouveia Art Rock, quer agora com o Gouveia Winter Jam (ou coisa que o valha).

Porque não apostar na cultura, por exemplo? Receber e promover residências artísticas, encontros e jornadas de botanica, arqueologia ( e há tanto património arqueológico no nosso concelho!). Afirmar Fornos de Algodres como o epicentro de um qualquer conceito é a chave. "Fornos de Algodres, capital da arquelogia", "Fornos de Algodres, capital do património arqueológico". Soa ou não soa bem?
A partir deste conceito (e quem diz este diz um outro dos milhares passíveis de ser equacionados) cria-se uma imagem, uma propaganda, institui-se um espaço visitável dentro do tema, organizam-se meia dúzia de eventos por ano com académicos da área e já é alguma coisa.

Na minha opinião, e porque já perdemos o barco, o melhor é esquecer as variáveis óbvias, que já foram aproveitadas pelos concelhos limítrofes.

Quanto à questão colocada sobre o INATEL, a falta de empenho no concelho é óbvia: O Inatel recebe clientes que vêm à procura de actividades. Naturalmente que em Fornos não há muito por onde pegar... Claro que, enquanto empresa que é, o Inatel vai procurar fora do concelho.

Por outro lado, e a terminar estas linhas, permita-me, Al Cardoso, um pequeno comentário à sua (pertinente) observação: em Celorico da Beira está prestes a arrancar, precisamente, um Museu do género do que fala. E, caros Pedro e Teresa, por muito que o CHIAFA seja interessante... convelhamos que não é só exactamente disso que o turismo vem à procura. A paisagem não chega. É necessário algo mais.


Já pensaram, por exemplo, se a Câmara de Fornos aproveitasse o material das escavações que estão a ser terminadas em Algodres para criar um Museu específico? (As escavações têm a ver com um cemitério medieval).

E se a aldeia fosse recuperada e se fosse assumida nos roteiros turísticos como a aldeia raínha da arquelogia?

Meus amigos, na nossa sociedade, actualmente, tudo vive, respira e gira em torno de conceitos de imagem e promoção.

Beijinhos e abraços para todos.
Andreia Santos.

Alexandre Lote disse...

Aproveita esta oportunidade para salutar a forma idónea como os comentários têm sido feitos. Este sim é o objectivo real deste blog (promover um debate de ideias sem ofensas a quem quer que seja na busca de soluções para um concelho que nós fornenses acreditamos que ainda tem muito para dar)!

Obrigado a todos por isso e continuem a participar da mesma forma!

Quanto a alguns dos comentários, queria apenas assinalar a minha opinião em relação a alguns pontos:

Ponto 1: Ainda bem que existe de facto o Cihafa, é de facto uma mais-valia para a vila, mas a divulgação do mesmo espaço julgo que deveria ser melhorada! Tem de ser feita uma aposta séria no sentido da publicitação das actividades, criar atractividade, ser imaginativo pois só assim as pessoas aderem! Sem uma divulgação excelente, a mais-valia que o espaço constitui dilui-se no esquecimento dos fornenses!

Ponto 2: Concordo com a ideia de que fornos deve apostar de facto num produto que possa ser a imagem do concelho, mas quanto à arqueologia...sinceramente e admitindo ser um leigo na matéria, não me parece que seja esse o caminho! Na minha opinião em termos arqueológicos a distância que nos separa por exemplo de Foz Côa é muito mas muito superior à que nos separa em relação ao Queijo da Serra de Celorico da Beira! Mais, o melhor caminho a meu ver seria realizar-se uma estratégia de cooperação com Celorico para ser formada pelos dois concelhos a zona do queijo da Serra da Estrela. Seria dentro dessa ideia que se incluiria a infra-estrutura que eu e o amigo Ala acreditamos que seria uma enorme mais-valia para o concelho!

Ponto 3: O INATEL é de facto uma empresa, mas tem de existir o mínimo de razoabilidade nas opções de uma empresa...Ora se foi o concelho de Fornos de Algodres que fez um forte investimento para que esta empresa se fixa-se no nosso concelho, julgo que não tem qualquer sentido não ser feita qualquer referência a nenhum, repito nenhum local a visitar em Fornos de Algodres no site do INATEL! Será que não temos sequer um local de interesse para os turistas e hóspedes do INATEL? Parece-me demasiado óbvia a resposta, sobretudo para aqueles que por aqui têm o prazer de viver!

Saudações a todos e continuem a opinar com sentido de responsabilidade!

Magno disse...

Amigo Lote,
Pessoas assim como você são precisas em Fornos, muito da sua acção civica passa pela sua atitude!
Você e o Al Cardoso, têm demostrado uma dinâmica civica de louvar no concelho!

Anónimo disse...

Alexandre,

Em que medida é que o investimento do concelho foi significativo na implementação do INATEL?

Quanto ao que explicou em relação à arquelogia, Foz Côa é diferente. Estaremos a falar de conceitos diferentes de arquelogia. Obviamente que não faria grande sentido falar em arte rupestre no nosso concelho.

No entanto, há marcas bastante valiosas, quer do periodo medieval, quer do periodo neolítico e afins. Já para não falar do gigante património histórico/arquelógico da maioria das aldeias e de sítios absolutamente extraordinários como a Fraga da Pena, o Castro de Santiago. Entre outros.

Quanto ao que refere sobre um possível "entendimento" com Celorico da Beira, trata-se de um ponto de vista, permita-me, Alexandre, um tanto ou quanto utópico. Essa é uma questão já debatida há muitos anos e a verdade é que nunca se chegou a nenhum entendimento. Nem vai chegar :)

Durante anos a fio que se falou (e bem) do facto de existirem várias pequenas feiras do queijo em todos os concelhos e da necessidade de se promover uma grande feira do queijo anual, que pudesse ser um mega-evento que congregasse todos os concelhos.

No entanto, todas as tentativas de união falharam. E vão falhar consecutivamente, porque cada um tomou o seu "autocarro privado".

Por onde quer que passe o caminho, é sozinhos que iremos estar. Fornos de Algodres terá de contar consigo mesmo. Apenas.

Beijinhos para todos.
Andreia

Alexandre Lote disse...

Andreia, obrigado pelo seu comentário mais uma vez...

È na diversidade das opiniões que podem surgir pontos de convergência que nos levem, quem sabe a descobrir algo que possa ser importante para fornos.

Apenas para responder à sua pergunta, em relação ao investimento...vou transcrever apenas duas partes do texto que está expresso no site da CMFA :

1ª PARTE - "O protocolo assinado contempla um compromisso mútuo de aproveitamento dos recursos naturais, paisagísticos, turísticos e culturais do concelho de Fornos de Algodres."

Julgo que este ponto de cooperação entre as duas entidades tem de ser melhorado para proveito do nosso concelho! Cabe ao INATEL ter uma palavra neste aspeto...

2ª PARTE (resposta à sua pergunta):

"A Casa de Férias de Vila Ruiva, implicou um investimento de 4 milhões de Euros, sendo que metade do orçamento partiu do esforço da autarquia e a segunda parcela partiu da comparticipação do AIBT da Serra da Estrela"

Na minha opinião 2 milhões de euros (400 mil contos) é um investimento significativo. Esse investimento deveria implicar da parte do INATEL, uma maior responsabilidade em publicitar e valorizar preferencialemnte o concelho de Fornos e não o de Celorico da Beira como acontece no site do INATEL!

È óbvio que é apenas um reparo que é facilmente corrigível e espero que tal venha a acontecer brevemente!

Cumprimentos, Alexandre Lote

al cardoso disse...

Nao ha duvida nenhuma da minha parte, que necessitamos de uma imagem de marca e de algo "sui generis" para a promocao do nosso municipio, alem disso necessitamos de eventos culturais, historicos e arqueologicos etc, pelo menos um mensalmente. Temos que estar nos meios de comunicacao, para ser conhecidos e necessitamos de uma empresa que potencie desportos e actividades, viradas para gente de todas as idades, frequentemente.
Mas contudo isto o facto de outros municipios nos ultrapassarem no producto "Queijo", nao quer dizer que devemos abandonar essa via, continuamos a ser um dos maiores concelhos productores, pelo que devemos continuar a apostar nele nem que so seja comercialmente!
Quanto ao Chiafa, a Dra. Teresa bem sabe o quanto me agrada o seu trabalho, o que desejava e que fosse mais apoiada nao so pela autarquia, como pela populacao em geral, pois pelo que sei ainda existe muita gente na nossa terra que nunca se deu ao trabalho de uma visita! Alem disso fiquei deveras agradado com a abertura diaria do Chiafa.
Quanto ao INATEL, ja disse o que penso noutras alturas, provavelmente a culpa maior ate nem e deles!

Um abraco do d'Algodres para todos.

Anónimo disse...

Caros amigos, é com agardo k virifico o vosso interesse por Fornos , e tambem concordo com o facto de o CIHAFA não ter o impacto que devia isto já para não falar da falta de publicidade. Por isso penso que fornos de muitos como nós pois o problema da autarquia não é fazer os "filhos" o problema é que é como algumas mães fazer faz , mas abandona-os, veja-se o caso do CIHAFA, ou ate o mais recente , o antigo posto da GNR. Para quê gastar tanto dinheiro ,se depois não se dinamisão nem sequer se contrata pessoal á altura, veja o caso do CIHAFA tem uma funcionária que ate tenta alguma dinamica ,como alias a k é referida, mas nao faz mais porque não tem autonomia essa esta centrada apenas num sitio.

sandra

João de Barros disse...

O CHIAFA é optimo, mas deveria ter pessoas competentes a trabalhar lá, sempre com as portas abertas para receberem os visitantes (o que não se tem verificado), pois sei que se têm deslocado de longe pessoas com o proposito da visita e encontram as portas sempre fechadas. È claro que existe sempre explicação para isso por parte da funcionaria, mas o executivo camarario deve ter esta informação em conta.