domingo, maio 27, 2007

Despedimentos na Delphi - Será este o destino do Interior?


"A Delphi (empresa de cablagens localizada na Guarda) vai despedir cerca de 700 trabalhadores até ao final do ano" - Noticiava o JN no dia 23 de Maio com base em fontes da empresa e do sindicato dos trabalhadores.

Este foi para mim o facto da semana, isto apesar das "gafes"do ministro das obras públicas sobre a Margem Sul do Tejo, de Pedro Santana Lopes acerca da liderança do PSD, da problemática da localização do novo aeroporto da Ota. Foram portanto muitos os factos da semana, no entanto, julgo ser este o mais importante uma vez que se trata de um drama social e regional!

Parece que as famílias no Interior estão de facto condenadas a ter de se deslocalizar para o Litoral na busca de oportunidades de emprego. Depois do encerramento da Roche (Pinhel), esta noticia dos 700 despedimentos é de facto um drama social. Imaginemo-nos por breves momentos naqueles cidadãos, nossos conterrâneos que se vêm de um momento sem o emprego que serve de sustento à sua vida e à dos que os rodeiam.

Já imaginaram a quantidade de dúvidas, medos, frustrações, desilusões, que passam pelo pensamento das pessoas que se encontram nesta situação?
Colocando-me no lugar deles, e olhando para o mundo de oportunidades que os rodeia, vejo sobretudo duas opções:

1- Fundo desemprego
2- Emigração

É sobretudo nestes casos que dou especial valor ao fundo de desemprego. Bem sei que muito são os que se aproveitam de um fundo justo, para o adulterar no que diz respeito ao seu objectivo, tornando-o aos olhos da sociedade, em algo injusto. Mas que raio, o que seria destas pessoas se não existisse este fundo quando de um momento para o outro se vêm sem o seu "ganha-pão"? Surge-me portanto outra pergunta:

Fará sentido, alguém em consciência aproveitar-se deste fundo, adulterando a sua essência de apoio social, transformando-o numa segunda via de aquisição de receitas?

Quanto ao segundo ponto (emigração), parece-me de facto que é a alternativa mais seguida pelos jovens do Interior. Perante a escassez de oportunidades no Interior, resta aos nossos jovens procurar realizar o seu projecto de vida no estrangeiro. Muitos serão os medos, as dúvidas, próprias de quem terá uma mudança radical no seu estilo de vida, no entanto algo tem de ser feito e a via emigratória é aos seus olhos a melhor opção. Sinceramente não sei se fará sentido falar-se em opção, uma vez que optar implica escolher uma de duas ou mais coisas, o que neste caso infelizmente não acontece. No meu pensamento, ficar de braços cruzados à espera que tudo se resolva não é verdadeiramente uma opção!

Num mês em que o desemprego ultrapassou a marca dos 8% (dramático), seria interessante ver publicado um estudo sobre o fluxo migratório dos portugueses. Assim seria mais fácil perceber melhor o alcance deste 8%, uma vez que por incrível que pareça pode tratar-se infelizmente de um resultado falso "positivo".

Parece-me também que o Interior não pode continuar parado, refugiando-se no escudo de que a administração central apenas apoia o Litoral e as Ilhas, que o Interior é sempre penalizado, que o poder está cada vez mais centralizado. Aos anos que batemos nesta tecla e os resultados têm sido...praticamente nulos. Para a evolução real do interior é necessário:

- Diagnosticar-se e resolver-se rapidamente os problemas que estão mais directamente correlacionados com a falta de oportunidades de emprego

- Perceber quais serão as vantagens que poderemos oferecer face a outras regiões geográficas de forma a sermos mais atractivos para o tecido empresarial

- Potencializar essas vantagens a longo prazo, para que sejamos sempre os melhores naquilo que temos de melhor

Muito mais haverá certamente a fazer para que este não seja o destino do Interior, no entanto julgo que a aplicação destas três ideias abstractas poderiam conduzir a melhorias concretas nas vidas de todos aqueles que vivem no Interior!

2 comentários:

al cardoso disse...

Fundamentalmente nao deveremos nunca baixar os bracos, e vamos lutar todos juntos para que a tendencia se inverta.

Parabens pelo artigo.

Olhe talvez um pouco fora do tema. Tenho uma ideia expressa num requerimento, que creio assinara com gosto no: http://aquidalgodres.blogspot.com

Um abraco fornense.

Vagamente disse...

Xandinho, os seus artigos são excelentes, e este no momento actual deste País,todos os dias somos confrontados com tudo isto, e senão veja, e falo no que me toca, os Gats do litoral praticamente a situação está mais ao menos resolvida e para bem de quem por lá trabalha, os do interior, o que nos espera, principalmente a quem não é técnico superior, ir para casa com 65% do seu ordenado.
Aproveito para lhe dar um novo endereço, de um novo blog, já que o meu desapareceu misteriosamente, muito mistério, mas levantar a cabeça e fazer outro, //vagamente.blogspot.com
Um abraço
Luis Pina