quarta-feira, maio 02, 2007

Eleições na Madeira - Justificarão os fins todos os meios?


Escrevo este post, pois encontro-me de facto indignado com o que se tem passado nas eleições para o Governo Regional da Madeira.

Quem nasce torto, tarde ou nunca de endireita. Este é um ditado popular que faz cada vez mais sentido nestas eleições na Madeira. Tudo começou mal, uma vez que não percebi sinceramente o porquê da demissão do Dr. Alberto João Jardim, isto porque, tanto quanto sei, a sua legitimidade enquanto Presidente do Governo Regional da Madeira nunca foi posta em causa por ninguém!

No entanto, o Dr. Alberto João Jardim decidiu demitir-se porque segundo disse o Governo Central estava como que a "roubar" a Madeira e os Madeirenses. Eu pergunto se assim era, porque se recandidatou? Isso alterou ou alterará em alguma coisa essa sua suposição ou constatação como lhe queiramos chamar? Fará sentido, alguém que se demite de livre vontade por interpretar que não lhe estão a ser dadas as condições de governabilidade na sua região poder recandidatar-se sem que haja qualquer garantia de que essa premissa tenha sido ultrapassada? A mim sinceramente parece-me claro que não...

O pior chegou no entanto em tempo de campanha. O Dr. Alberto João Jardim tem feito inaugurações por toda a ilha, algo que me fez relembrar a reacção de censura da sociedade portuguesa para com o o Dr. Pedro Santana Lopes, quando este, enquanto chefe de um Governo de Gestão, numa situação igual á do Dr. Alberto João Jardim neste momento, fez uma ou outra inauguração como chefe do executivo. No entanto, como de facto para muitos a Madeira não é Portugal, nós portugueses do continente só pelo simples facto de não votarmos naquelas eleições consideramos tudo aquilo...NORMAL!

Conseguimos mesmo achar graça, a coisas sem graça nenhuma, como os lamentaveis incidentes ocorridos ontem, nos quais se desceu ao grau mais baixo o nivel politico na região. É revoltante ver comícios interrompidos com palavras como "mentiroso", pseudo-actores que tentam imitar um adversário politico tentando levar ao ridículo a sua figura, ataques pessoais constantes de todos os quadrantes políticos contra todos os candidatos e uma linguagem absolutamente inadmissível daqueles que se candidatam a lideres do Governo. Não admira portanto, que as ideias, os projectos de cada candidato, se é que existem (quero acreditar que sim) não cheguem de uma forma clara e fluida á opinião pública. Não seria bem mais interessante debater projectos em vez da vida pessoal das pessoas ou das suas famílias?

Muito mal andará o nosso País quando perante a falta de qualidade democrática numa Região Autónoma de Portugal, estamos nós portugueses, sentados no sofá, assobiando para o ar, soltando gargalhadas sobre aquilo que deveria ser um debate político e se transformou num circo político. Em vez disso, deveríamos preocupar-nos em tentar perceber o porquê daquelas eleições estarem a seguir um caminho tão erróneo, e sobretudo perceber o que leva pessoas com tão elevada responsabilidade politica na região, a utilizar tudo menos argumentos políticos em busca daquilo de que todos precisam para alcançarem o objectivo que lhes dará a vitória nestas, como em todas as eleições: O VOTO!

Termino dizendo, que segundo os meus ideais, jamais os fins jusficarão todos os meios!

2 comentários:

al cardoso disse...

Segundo li ja se gastou mais nesta campanha, do que as ultimas eleicoes nacionais!!!

Um abraco de amizade.

Fernando disse...

Infelizmente a Madeira tem politicos e governantes ao mesmo nivel na dimensão do seu território: muito pequenos! Ao que parece umas das inaugurações relalizadas pelo Dr Jardim, foi uma estrada com ligação uma pequena aldeia e que terá sido o pagamento de uma promessa feita a Maria, senhora que tomou conta dos seus filhos. Este exemplo, que não virá a público certamente, mas mostra bem a pequenez daquele senhor que se diz democrático.