quinta-feira, maio 17, 2007

Dia Mundial da Hipertensão - Monitorize a tensão arterial!


Segundo um estudo 40 por cento dos portugueses sofre de hipertensão arterial, sendo que, apenas 18 por cento assume possuir valores de pressão arterial indicadores de doença. É de facto um problema dramático sobretudo devido à sua problemática não só como doença, mas também como factor de risco para o aparecimento de outras patologias muito graves, como por exemplo, enfarte do miocárdio e acidente vascular cerebral.

Obviamente que este não pode ser encarado como um problema único e exclusivo do doente. Devido a todos os problemas que pode desencadear é completamente irresponsável por parte sobretudo dos profissionais de saúde olhar-se para este problema de forma leviana. Muitos têm sido os progressos, no entanto tal como este estudo revela há ainda muito, muito a fazer.

Na minha opinião dever-se-ia começar pela criação do hábito de monitorização periódica da pressão arterial. Julgo ser esta uma responsabilidade de todos os profissionais de saúde, pelo que devem ser o mais criativos possível para que as populações que são abrangidas pelos seus serviços, possam ser um exemplo de bom rastreio da pressão arterial. Basicamente isto pode ser conseguido estabelecendo-se uma relação de confiança com as populações através da criação de objectivos individuais, contribuindo desta forma para uma mais valia global em termos de Saúde Pública.

Há um fenómeno conhecido por "fenómeno da bata branca" que é desconhecido por parte da maioria das populações. Sabia que há estudos que revelam que 20 a 30 por cento das pessoas que monitorizam a pressão arterial nos hospitais/farmácias apresentam valores de pressão arterial mais elevados que o real devido á ansiedade provocada pela expectativa acerca do resultado e ao medo do que o mesmo possa significar? São os chamados falsos positivos! Na minha opinião, surgem exactamente porque as pessoas não têm esse hábito de monitorizar, o que faz com que o medo e a ansiedade estejam bem mais presentes.

Outra das causas, provavelmente a principal está relacionada com as interacções medicamentosas existentes sobretudo em doentes que estão a tomar muitos medicamentos. Nestes casos, existe uma enorme dificuldade dos doentes de adesão à terapêutica, sendo este um campo onde sobretudo os farmacêuticos têm uma enorme responsabilidade social! As farmácias devem cada vez mais ser responsáveis pelos seus doentes, funcionando como farmácias clínicas onde o doente deve ser acompanhado em toda a sua história medicamentosa e não medicamentosa. Para isso torna-se essencial criar um método credível que permita ao farmacêutico controlar a adesão do doente ás terapêuticas. Esse método terá como objectivo a criação de um relatório individual de cada doente onde estará documentada toda a sua terapêutica, nomeadamente os dias/horas das tomas ou não dos medicamentos, quais os medicamentos que tomou, doses, tipo de administração, que análises efectuou, etc. Este documento será de extrema importância para todos os profissionais de saúde, mas principalmente sê-lo-á para o doente no que diz respeito à diminuição dos gastos em medicamentos e na aquisição de um melhor serviço por forma a melhorar o bem mais fundamental que qualquer cidadão pode ter (minha opinião!): a sua Saúde!

P.S: Cliquem na imagem por forma a adquirirem mais algum conhecimento sobre a hipertensão.

1 comentário:

al cardoso disse...

Uma boa alimentacao e alguns exercicio, muitas vezes reduz a necessidade de medicamentos, com vantagem para todos!

Um abraco de amizade.